9 de janeiro de 2012

Entrevista Exclusiva: Ricardo Vilar, o vencedor da Defesa D’grau de 2011

Postado por Fabio Ritter

O Guarda-Metas.com traz abaixo mais uma entrevista exclusiva com um goleiro profissional. Desta vez, falamos com Ricardo Vilar vencedor da Defesa D’grau do ano 2011. Hoje goleiro do ASA, Villar na época da defesa jogava no Democrata de Governador Valadares.

Confira a entrevista:

Guarda-Metas.com: Como decidiste ser goleiro, onde foram os primeiros passos e o primeiro time?
Ricardo Vilar: Quando tinha 7 anos, entrei em uma escolinha de futsal em Curitiba, chamada Esporte e Cia, mas não com objetivo de ser goleiro. Logo nas primeiras semanas o goleiro do time teve uma fratura na perna e eu como tinha acabado de chegar e era um dos mais altos do time acabei indo para o gol. Fui bem, tomei gosto e não saí mais. Um ano depois fui convidado a fazer parte das categorias de base do Coritiba, onde me profissionalizei e só sai de lá com 22 anos.

GM: Quem foi teu grande ídolo na infância?
RVGostava muito de ver o Taffarel e o Zetti jogarem. Taffarel com um execelente posicionamento, não precisava cair tanto para fazer as defesas, tornando elas mais seguras e mais simples também. No Campeonato Mineiro de 2007 e 2008 eu tive a oportunidade de trabalhar com o treinador de goleiros, Sergio Bionico, que quando o Taffarel defendia o Atlético Mineiro, era o responsável pelo seu treinamento, pra mim sem duvida foi uma experiência muito boa.

GM: E atualmente, tens um ídolo?
RV: Não tenho um ídolo atual. Admiro vários goleiros, mas procuro me espelhar em pessoas em que eu já tive o prazer de trabalhar no dia a dia, conhecendo não só o goleiro mas a pessoa também. Caso do Fernando Prass (Vasco), Douglas (ex-Guarani), Kléber (ex-Fluminense), Arthur (Benfica). São todos goleiros em que eu trabalhei no Coritiba.

GM: Qual a marca e corte de luva preferido?
RV:Hoje tem muita luva boa no mercado, diferentes tipos de corte, mas me adaptei bem com a luva da Puma com corte roll finger. Do preferência a palma branca, pois me sinto muito seguro com ela em diferentes climas e terrenos também.

GM: Tens alguma mania com tuas luvas?
RV:Não diria que é uma mania, mas sempre na primeira lavagem da luva, antes mesmo de ser usada, eu faço minhas orações, e tenho um cuidado especial com elas, eu mesmo as lavo tanto de treino ou de jogo.  

GM: Quais são teus pontos fortes e fracos como goleiro?
RV: Difícil falar de ponto fraco, porque eu sou um goleiro que me cobro muito e acredito que no dia a dia temos que estar em constante evolução, melhorando em todos os aspectos. De ponto positivo acredito que seja a velocidade.

GM: Sobre a Defesa D’grau do Ano 2011, narra o que aconteceu na jogada. Qual foi a maior dificuldade, a primeira ou a segunda intervenção?
RV: Foi um chute forte de fora área, que no momento da finalização tinha muita gente na minha frente. Assim, não consegui ver o momento exato da batida. Foi uma defesa difícil pela potência do chute e principalmente por estar com a vista encoberta o que me prejudicou para dar um direcionamento correto pra bola. Já a segunda defesa eu consegui ter um poder de reação pra levantar do chão e impulsionar pra fazer a defesa, praticamente no momento que a bola pinga no chão tendo um grau de dificuldade maior.

GM: Para finalizar, tens alguma fica para o goleiro do Guarda-metas.com
RV:Queria a agradecer a todos que votaram na minha defesa, principalmente os torcedores do Esporte Clube Democrata, certamente fiquei surpreso e feliz com tantos votos, só de participar com grandes nomes já é um motivo de orgulho. Agradeço também aos meus dois treinadores de goleiro do Democrata no campeonato mineiro 2011, José Alberto Quitete e Renato Schumacher, sem eles sem duvida não teria destaque no campeonato. E pra todos fãs e apaixonados desta posição tão maravilhosa, profissionais ou amadores, é um grande prazer falar da nossa profissão tão criticada mas que no fundo nós goleiros sabemos como é bom estar lá dentro de campo! Muito Obrigado, Abraço a todos!